Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Ka Ferriche. Leia o artigo completo em Notibras.

O legado do condenado Lula da Silva, temporariamente (é o que se supõe) em liberdade, pode estar além dos desvios bilionários que ele promoveu e distribuiu aos companheiros, agora delatores, dentro e fora do território nacional. É muito provável que no período em que esteve encarcerado, seus dependentes mais chegados, em visitas, tenham garantido que fora do xilindró ele ainda era o grande líder.

Seus sócios imaginaram que manter vivo o ícone petista seria imprescindível à continuidade da organização criminosa – Orcrim, como definiu a Justiça. Então esconderam do líder a realidade externa e o alimentaram de esperanças. O problema é que no período em que esteve preso, o Brasil passou por muitas transformações. Em aparições públicas atuais, seus discursos são delirantes, próprios de um sociopata. Segundo especialistas, um comportamento com visível transtorno de personalidade, de extremo egocentrismo.

O sociopata é capaz de simular sentimentos para manipular, inclusive, aqueles que o cercam. Ao fazer declarações para um público agora reduzido, Lula só consegue convencer mais pessoas de que a sua sociopatia não tem limites. Pode ter sido um péssimo negócio ter deixado o conforto e a segurança da Polícia Federal.

O tempo foi curto para que ele apreendesse que existe um novo conceito coletivo sobre crimes de colarinho branco. Uma repulsa crescente que pavimenta a esperança da população sobre o futuro, que não é aquele ultrapassado que ele propaga, como sempre fez. Mentiram para o Lula que pensa que é livre. Sua sociopatia é tão exagerada que não percebe que já é o bobo da corte, manipulado por seus próprios companheiros. Não terá paz em nenhum reduto onde pisar, de acordo com as recepções hostis que recebeu até agora onde apareceu para descarregar sua verborragia delirante.

Nelson Mandela, com o qual se compara – modestamente -, ficou quietinho na cadeia por 27 anos. Surgiram outras gerações na África do Sul nesse período, tempo suficiente para reconstruir sua figura como mártir e convencer os afrodescendentes. O cativeiro prolongado de Mandela valorizou a sua soltura e então ressurgiu como um grande líder. Mas Lula tem pressa. Ficou apenas uma dúzia de meses comendo muito melhor em Curitiba do que em Garanhuns e acreditou que já havia se apropriado do efeito Mandela. Mentiram para ele, coitado.

A sociopatia não é privilégio de comunistas, mas nesse segmento ideológico a incidência é bem maior, é o combustível para criar ilusão. A maioria dos brasileiros já percebeu. Alguns desavisados ainda poderão ser manipulados, não vão notar os sinais de sociopatia grave e irreversível de que sofre o maior artista de todos os presidentes eleitos até hoje.

Mas não são em número suficiente para trazer o atraso e o desregramento moral de volta, como planejado pelo Foro de São Paulo, reduto onde podem ser encontrados sociopatas de todas as marcas e modelos. Lula pretendia ser o maior de todos, enganar seus concidadãos inicialmente e depois iludir seus sócios internacionais para ser o capo di tutti capi. O rei do mundo.

Melhor para ele seria a cadeira de balanço. Mas isso também não é uma solução. Lula pode entender que é balanço contábil, carregar a cadeira para a Rua Empedrados em Havana, Cuba, e de lá contemplar milhões de dólares surrupiados dos brasileiros e que fazem a alegria de seus cotistas comunistas. Regados a mojitos, claro.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

C ultura e Sociedade

Este é o Nivel das Universidades

Universitários protestam contra o professor, o psicólogo Jordan Peterson. Por Vitor Geraldi Haase. Leia o artigo completo aqui. Jay Belsky, […] psicólogo do desenvolvimento é

Leia Mais »
Psicanálise

Ataque Contra a Masculinidade.

Por Matt Walsh. Leia o artigo completo no Daily Wire. Um artigo , baseado em um documentário, pergunta se existe “uma maneira melhor de criar meninos para

Leia Mais »