Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Aula do professor Wendel Santana, para alunos de 10 a 12 anos, em escola pública do Distrito Federal.

Por Amanda Prestigiacomo. Leia o artigo completo no Daily Wire.

O apresentador de podcast do Daily Wire, Matt Walsh, fez um discurso sobre como a cultura moderna está destruindo a masculinidade.

Walsh identificou quatro áreas em que nossa cultura está destruindo meninos, a saber:a saturação completa pela pornografia, o sistema de educação adaptado para mulheres, a difamação da masculinidade e a confusão intencional de gênero direcionada aos meninos.

“Nossa cultura se alimenta das fraquezas de um garoto. “Vamos imaginar o mundo em que o garoto de 13 anos vive. Há tempo ele vem sendo exposto à pornografia hardcore, e provavelmente a assiste regularmente. A idade média da primeira exposição agora é 10 anos. Talvez mais jovem, dependendo do estudo que você leia. Então a puberdade chega. Seus hormônios estão fora do controle. Seu cérebro está se concentrando obsessivamente em sexo. Ele realmente não consegue evitar. Ele sente o impulso biológico de encontrar um parceiro sexual, embora não entenda esse desejo e sua concepção de sexualidade humana tenha sido pervertida e confusa pelo hábito pornô que ele desenvolveu na sexta série.

[Os meninos não podem escapar do sexo]. Está por toda a parte em seu computador dele. Em toda a parte no seu celular. Em toda a mídia social. Em toda a TV. Em toda a música que ele ouve. Em toda parte. ”

Parece que todo mundo está fazendo tudo o que pode para fazer dele um degenerado e um canalha, mesmo exigindo que ele seja o oposto disso. [Não estamos oferecendo aos meninos “nenhuma ferramenta” para navegar nisso.]

Mesmo que o menino possua a força moral quase sobre-humana necessária para perseguir a castidade e a pureza no meio da névoa, sufocada pelo sexo, que o envolve, ele só encontrará zombaria e desânimo por parte da nossa sociedade”. As mesmas pessoas que exigem que ele ‘respeite as mulheres’ e ‘se controle’ vão desprezá-lo se ele tentar fazer exatamente isso.”

Em seguida, Walsh mirou o sistema educacional, que ele argumentou ser feito sob medida para as mulheres e trabalha para punir os meninos, especialmente exagerando em diagnosticar alunos com “distúrbios” por simplesmente exibir comportamentos normais em meninos.

“O ambiente típico da sala de aula é tortura para um garoto, penaliza-o por ele ser ele mesmo, por ele ser um garoto… Garotos recebem notas mais baixas. Os meninos são mais propensos a abandonar os estudos. Os meninos são mais propensos a serem expulsos. Talvez o pior de tudo seja que os meninos têm duas vezes mais chances de serem diagnosticados com TDAH.

No ensino médio, 20% dos meninos são diagnosticados com TDAH. Nunca paramos para nos perguntar por que os meninos são mais suscetíveis a essa misteriosa condição mental. Nunca paramos para considerar que talvez não estejamos tanto diagnosticando meninos quanto diagnosticando a infância.

O problema somos nós, não eles. Somos nós que precisamos mudar. Se não há espaço em nossas escolas, em nossas casas, em nossa cultura, para meninos que agem como meninos, então nossas escolas, casas e nossa cultura – e não nossos meninos – estão doentes. Se estabelecemos um sistema que não pode lidar com metade das crianças que são introduzidas nele, o sistema está falido. Derrube o sistema. Mas deixe os meninos em paz.

Os meninos também são atingidos por desafios, devido à enxurrada da mídia para denegrir a masculinidade.

Ninguém ousaria zombar da feminilidade como “tóxica” ou “frágil”, mas esses tipos de ataques à masculinidade são comuns. Ninguém rotularia todas as mulheres de ‘perigosas’ ou ‘monstros em potencial a serem temidos’, como alguém do The New York Times disse uma vez sobre homens.

Se o estoicismo, a competitividade e a agressão são ‘em geral prejudiciais’, a própria masculinidade é prejudicial. Essas características são naturais nos homens. Nem todo homem as tem no mesmo grau, e talvez alguns homens quase não as demonstrem, mas, em geral, os homens são mais emocionalmente reservados, mais agressivos, mais competitivos e mais dominantes fisicamente. Não se tornou assim porque a sociedade projetou dessa forma. Já era assim, sempre foi assim.

A sociedade não inventou a masculinidade. A sociedade notou a masculinidade. A masculinidade é “arraigada” e “inata”.

Por fim, Walsh falou sobre o claro esforço que está sendo feito para confundir as crianças quanto ao seu sexo, destacando os meninos como o principal objetivo aqui:

Houve, como você deve ter notado, uma pressão esmagadora, nos últimos anos, para impor confusão de gênero às crianças. Meninos parecem ser os alvos especiais; eles parecem ser os que mais são vítimas disso”.

A Hora do Conto com Drag Queens, agora podem ser encontradas em bibliotecas de todo o país. Qual é o propósito disso? O objetivo, claramente, é normalizar, ou seja, promover esse tipo de estilo de vida para as crianças. Não poderia haver outro motivo.

Quanto à forma como lidamos com esse ataque orquestrado contra nossos meninos, Walsh sugeriu que implementássemos “boas leis” mirando na pornografia, protegendo crianças e tornando o sistema educacional mais localizado e menos tamanho único.

A principal solução oferecida por Walsh foi a presença da figura paterna, pais que ensinam a seus filhos que eles não são tóxicos ou ruins por natureza de sua biologia e os orientam adequadamente.

“Um garoto sente o desejo indescritível e incontrolável de sair para a natureza e encontrar satisfação em algo – algo lá fora – mas ele não sabe exatamente o que ou onde.

A cultura vem como a cobra no jardim e diz ‘Vá por esse caminho’. E se o garoto seguir, ele será levado, potencialmente, a uma vida inteira de fracasso e sofrimento. É aí que o pai é necessário. Para vir ao resgate. Pisar na serpente. Pegar a mão do garoto, olhá-lo nos olhos e dizer: ‘Você é um garoto. E isso é bom. E isso é maravilhoso. E um dia você será um homem. Eu vou te mostrar como. Eu vou te mostrar o caminho. Siga-me’.

É disso que um garoto precisa. Muitos nunca conseguirão. E nós os odiaremos pelo que eles se tornam. Mas não precisava ser assim. Se ao menos alguém estivesse lá. Se ao menos eles tivessem tido uma chance.”

Assista:

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise

Adoecimento Mental

Educar a mente para controlar as emoções e agir com assertividade é uma experiência transformadora ou, como a palavra de Deus nos ensina, libertadora. Coisas

Leia Mais »